Conselho de Entidade das Matas e HRNS juntos criando impacto

 

No ano de 2012, por iniciativa de instituições/organizações do setor público e privadas ligadas ao setor cafeeiro e apoiadas pelo SEBRAE foi criado o “Conselho das Entidades do Café das Matas de Minas” como uma entidade sem fins lucrativos, de caráter representativo, científico, educacional e cultural, formado por membros e parceiros voltados ao desenvolvimento da cafeicultura na região.

A HRNS do Brasil, como entidade parceira, apoia os trabalhos do Conselho e participa das reuniões periódicas em seu escritório regional em Manhuaçu e com o suporte oferecido pela International Coffee Partners (ICP)  implementamos projetos que beneficiam mais de 2.000 famílias que em conjunto cultivam 6.431 ha de café. Uma ação prioritária dentro dos projetos é a qualificação técnica dos produtores para melhorarem a qualidade de seu produto. Também são realizados serviços de análise da qualidade de café, laudo que informa e orienta a tomada de decisões sobre a comercialização e medidas corretivas para aumentar a qualidade das safras futuras.

matas de minas
Matas de Minas

O conselho funciona de modo em que seus membros tenham participação ativa na cadeia do agronegócio do café, sendo seu propósito desenvolver, proteger e promover a diversidade, a qualidade artesanal e a sustentabilidade natural na produção de cafés. Ressaltando que suas ações têm sempre como objetivo o desenvolvimento sustentável coletivo da região das Matas de Minas.

A região das Matas de Minas se encontra à leste do estado de Minas Gerais no bioma da Mata Atlântica, com altitude variando de 600 a 1300 metros. O relevo é montanhoso, estimulando assim o desenvolvimento de técnicas de produção e manejo próprias tendo como consequência um produto naturalmente artesanal. É composta por 63 municípios, com área plantada de 173 mil hectares de café e 36 mil unidades produtoras das quais 80% possuem área menor que 20 ha. De acordo com dados do SEBRAE em torno de 50 produtores distribuídos nos municípios da região são acompanhados pelo conselho. No entanto, espera-se aumentar gradativamente o número de produtores atendidos.

Segundo estudo realizado pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), a cafeicultura nesta região desempenha um importante papel sendo responsável por 18% do Produto Interno Bruto (PIB), o que gera uns 243 mil empregos diretos e indiretos. A região também representa 22% do café produzido em Minas Gerais e 13% da produção nacional. Dentre os trabalhos realizados pelo Conselho destaca o “Mapeamento da Qualidade dos Cafés Produzidos na Região das Matas” e a “Identificação Geográfica-IG”, que está em fase final de regulamentação de uso, permitindo assim exportar lotes com qualidade aferida e garantida.

Entre os membros do conselho estão: COOCAFE, ACIAM (Manhuaçu e região), SICOOB/CREDICAF (Laginha e região), SICOOB CREDCOOPER, SICOOB CREDISUDESTE (Muriaé e região), SICOOB UNIÃO, SICOOB CREDILIVRE, Sindicato dos Produtores Rurais de Manhuaçu, Manhumirim, Lajinha, Caratinga, Luísburgo e região, SCAMG e a Hanns R. Neumann Stiftung do Brasil (HRNS do Brasil).  Como parceiros da iniciativa estão:  CORPOL, EMATER, EPAMIG, FAEMG, IWCA, SEBRAE, SENAR, UFV, Prefeituras de Luisburgo e Manhuaçu.

 

g

 

ICP_Logo_stakeholders_rgb

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *